Telefones de contato:
  • Santos: (13) 3232-3011
  • São Paulo: (11) 3371-5700
  • Urgência: (11) 99994-1529

Entenda as doenças urológicas

Rins

As doenças renais, geralmente, surgem de forma silenciosa. Tanto os cálculos, quanto os tumores vão se formando sem gerar alertas nos pacientes. Com os avanços tecnológicos, frequentemente, os paciente chegam ao consultório com doenças achadas em exames, muitas vezes realizados por outros motivos.

  • Litíase Renal

    Os cálculos renais são perigosos, quando pequenos podem migrar pela via urinária e obstruir a pelve renal ou o ureter, isso gera uma dor intensa na região lombar, aguda, abrupta. Dependendo da localização do cálculo a dor pode ser na região anterior do abdomen, na virilha ou até nos testiculos ou lábios vaginais.

    Quando grandes, os calculos renais geram lesoes crônicas e obstrutivas que prejudicam a função dos rins, gerando infecção, dor, atrofia renal. Muitos pacientes com cálculos bilaterais perdem os rins devido a perda definitiva da função.

  • Cistos Renais

    Os cistos renais são achados de exames que merecem acompanhamento urológico, na maioria das vezes não tem risco de malignidade, mas alguns dependendo das características específicas e do tamanho precisam de algum tratamento ou até cirurgia. Alguns tem componentes sólidos e precisa-se excluir a possibilidade de tumor.

  • Câncer Renal

    O cancer renal geralmente tem comportamento silencioso, na maiorias das vezes não gera nenhum sintoma e acaba sendo achado durante algum exame de imagem. Quando apresenta sintomas: sangramento urinário e dor são os mais frequentes. O cancer renal é traiçoeiro e pode gerar metastases, por isso, deve ser tratado por equipe experiente e experimentada em uro-oncologia e capaz de oferecer um tratamento rápido e preciso, visto a grande quantidade de órgaos nobres próximos aos rins.

    O tratamento pode ser desde mini-cirurgias (crioablação, radiofrequencia e cirurgia robótica), cirurgias por videolaparoscopia, cirurgias abertas, até cirurgias de grande porte.

Pênis

As doenças do penis sao muitas, e variam desde doenças simples dermatológicas como alergias, infecçoes, verrugas, DSTs, até doenças mais complexas como a doença de Peyronie ( curvatura peniana), impotência sexual e o cancer.

  • Doenças Sexualmente Transmissíveis ( DSTs)

    São doenças que atingem homens e mulheres decorrentes da atividade sexual desprotegida. Na maioria das vezes se tratadas de forma rápida e precisa apresentam ótimos resultados.

  • Fimose

    A fimose é caracterizada pela impossibilidade ou dificuldade de expor a glande, a cabeça do pênis, que fica recoberta pelo prepúcio, a pele que recobre a glande, tendo um anel muito estreito para essa exposição. A fimose não fica colada à glande, sendo um fato normal nos primeiros anos de vida do menino.

    A fimose pode ser gerada por inflamações e infecções durante a infância ou durante a fase adulta. No adulto geralmente temos a balanopostite que é uma inflamação da pele do penis, que fica ressecada, com fissuras e facilmente sangra. Apresentando grande dificuldade para recolher o prepúcio.

Próstata

A próstata é uma glândula exócrina que tem a função de produzir e armazenar o líquido prostático, que é parte do semem. Apesar de pequena (25g), tem grande relevância clínica visto as alterações da qualidade de vida que suas doenças provocam.

  • Hiperplasia Prostática Benigna

    A hiperplasia prostática é o crecimento da prostata devido a sensibilidade do órgão ao hormonio masculino testosterona e é a principal causa de sintomas urinários no homem a partir de 50 anos. Os sintomas mais intensos aparecem 25% dos homens com 50 anos e 50% dos homens com mais de 70 anos.

    Os sintomas mais comuns são o aumento da freqüência urinária, urgência miccional, jato urinário fraco e sensação de esvaziamento incompleto da bexiga e gotejamento terminal. As principais complicações da doença são o sangramento urinário de repetição, infecções urinárias de repetição, retenção urinária e perda da função renal. Atualmente, a maioria dos casos sintomáticos pode ser tratada com medicamentos, porém 10 a 15% dos pacientes irão necessitar de cirurgia para o alívio dos sintomas.

    As cirurgias para hiperplasia na maioria das vezes são endoscópicas através de ressecções que utilizam a uretra como via de acesso. Porém quando a próstata atinge grandes proporções (tamanho maior que 100g) a melhor opção é retirar a parte interna da próstata (adenoma) por cirurgia aberta, video-laparoscópica ou robótica.

  • Prostatites

    As prostatites envolvem um grupo de doenças da próstata que mistura processos infecciosos causados por bactérias, casos em que existe inflamação sem invasão bacteriana, e casos sem infecção ou inflamação em que o paciente refere apenas dor na região pélvica e no períneo.

    Cerca de 15% dos homens irão apresentar sintomas de prostatite durante a vida e geralmente homens entre os 30 e 50 anos são mais acometidos.As prostatites infecciosas de causa bacteriana costumam apresentar febre alta, tremores, prostração e mal-estar geral de início repentino, que simula um quadro gripal. Paralelamente surgem também sintomas urinários como dificuldade, ardor para urinar e aumento da freqüência miccional.

    Os quadros de prostatite aguda requerem atendimento de urgência para instituição de antibióticos e freqüentemente até internação hospitalar.

  • Rastreamento do Câncer da Próstata

    O rastreamento do câncer da próstata (CaP) deve ser iniciado aos 50 anos em todos os homens. Quando existe histórico familiar da doença, este controle deve ser iniciado aos 40 ou 45 anos. As consultas são anuais e constam do exame digital da próstata( exame de toque) e a dosagem do PSA no sangue.

    O toque retal é fundamental para a avaliação, é simples, indolor, dura apenas alguns segundos e pode ser esclarecedor, pois um exame de PSA normal não descarta a presença da doença.

    A idade avançada, história familiar da doença e a pele negra constituem os principais fatores de risco do CaP. Quando existe um parente de primeiro grau com CaP, o risco de desenvolver a doença aumenta 2 vezes, e quando dois parentes forem diagnosticados, o risco aumenta 3 vezes.

Bexiga

A bexiga pode ser sede de diversas patologias: cistites infecciosas ou não, calculos, disfunções miccionais (veja mais na sessão de urodinâmica) ou tumores.

  • Cistites

    As cistites podem ser de origem infecciosa, irritativas, inflamatórias ou auto-imunes. A cistite bacteriana, é a forma mais frequente de infecção do trato urinário (ITU), atormenta as mulheres normalmente até 2 vezes por ano, quando aparece com freqüências maiores é necessária uma investigação anatômica do trato urinário. Nos homens qualquer infecção urinária merece investigação.

    Dentre as cistites não infecciosas, destaca-se a cistite intersiticial que é uma complexa doença crônica caracterizada pela irritação ou inflamação da parede da bexiga, já atinge mais de 1 milhão de pessoas. Ela pode deixar cicatriz na bexiga, provocar um espessamento na sua parede, diminuindo a sua capacidade, associada a pontos de sangramento. 90% dos indivíduos afetados são mulheres, acima dos 40 anos.

    Os sintomas são urinar varias vezes.Aumento da sensibilidade da bexiga e períneo.Dor no baixo ventre, sensação de pressão. Dispareunia (Dor durante o ato sexual) Os sintomas pioram com a menstruação.

  • Câncer de Bexiga

    O câncer de bexiga é o segundo tumor mais freqüente do trato urinário, acometendo pessoas com mais de 60 anos e com incidência maior no sexo masculino. Fatores de risco são: tabagismo, exposição a derivados de petróleo, modificações no meio ambiente e estilo de vida, diabetes.

    Os sintomas são: hematúria intermitente (sangramento pela urina), macroscópica e indolor, urgência miccional, polaciúria, noctúria e ardência. Estatisticamente 70% dos tumores são superficiais e com alta probabilidade de recidiva. O tipo histológico mais freqüente é o carcinoma de células trancisiconais (90%).

    O tratamento mais frequente para os tumores superficiais é a ressecção endoscópica trans-uretral (RTU) da bexiga, acompanhada ou não de aplicação de medicamentos intra-vesicais. Já os casos mais avançados muitas vezes precisam de terapia multi-modal com cirurgia, radioterapia e quimioterapia. A cirurgia pode ser aberta, ou por via minimamente invasiva (video-laparoscopia ou cirurgia robótica) e  utilizamos diversas tecnicas para reconstruir o transito urinário, na maioria das vezes fabricamos reservatórios com o intestinam que imitam a função da bexiga.

Reposição hormonal, distúrbio hormonal e impotência sexual

A reposição hormonal é a modalidade de tratamento que tem por objetivo devolver a qualidade de vida do homem que fora perdida devido a diminuição do hormônio masculino – testosterona.

  • DAEM

    O Distúrbio Androgênico do Envelhecimento Masculino (DAEM) é a diminuição da produção do hormônio masculino (testosterona) com o passer da idade. É considerada uma espécie de “menopausa masculina” – porém sem a interrupção brusca na secreção da testosterona pelas gônadas.

    A partir dos 50 anos, é observada uma queda constante da testosterona no organismo. Quando o nível cai de forma significativa, alguns homens podem apresentar problemas de saúde. Esse acontecimento é marcado por uma série de mudanças fisiológicas e psicológicas.

    A reposição hormonal é segura e saudável para a estabilização ou equilíbrio da testosterone, e com isso devolver ao homem o bem estar: prolongamento da vida útil – social, sexual e professional; diminuição dos riscos de morte antecipada por doenças degenerativas, preservação da musculatura, ossos e voz grossa, além da virilidade e vigor físico habitual dos homens; preservação da memória, ativa o sistema imunológico, previne os sintomas tão indesejáveis da andropausa.

    A prevenção da impotência sexual é a grande vitória da reposição de testosterona, pois mantém a auto-estima, o apetite sexual, e o equilibrio bio-psico-social. Veja as modalidades de tratamento cirúrgico na sessão: tratamento da impotência sexual.

Supra-Renais

As glândulas supra-renais têm este nome devido ao fato de se situarem sobre os rins, apesar de terem pouca relação com estes em termos de função. As supra-renais são glândulas vitais para o ser humano, já que possuem funções muito importantes, como regular o metabolismo do sódio, do potássio e da água, regular o metabolismo dos carboidratos e regular as reações do corpo humano ao estresse.

  • Adenomas

    Adenomas são tumores benignos que geralmente não precisam de cirurgia, o objetivo é acompanhamento. A cirurgia fica reservada para os casos em que o adenoma apresenta um crescimento exacerbado ou alguma complicação como sangramento ou distúrbio hormonal/metabólico significativo.

  • Câncer Supra-Renal

    Se desenvolve no córtex da glândula suprarrenal é denominado câncer adrenocortical. O câncer suprarrenal na maioria das vezes é diagnosticado por duas razões. A primeira delas é pelas alterações causadas no corpo pela produção dos hormônios, como ganho de peso e retenção de líquidos, puberdade precoce em crianças ou crescimento de pêlos faciais ou corporais em excesso em mulheres. A segunda razão são os sintomas causados pelo crescimento do tumor. Tumores grandes podem pressionar outros órgãos do abdome, causando dor ou sensação de saciedade. Geralmente, os cânceres renais são muito maiores do que os adenomas suprarrenais. Um tumor suprarrenal com 5 – 6 cm é considerado câncer.

    A maioria dos cânceres diagnosticados na glândula suprarrenal não começa na própria glândula, eles se iniciam em outros órgãos ou tecidos e se disseminam através da corrente sanguínea para as glândulas suprarrenais.

Testículos

Os testiculos são orgãos sede de frequentes dores, estudos comprovam que cerca de 50% da população masculina normal tem dor testicular sem ter doença associada. As doenças dos testiculos podem ser representadas por: varicocele, cistos de epididimo, hidrocele, cistos de testiculo e cancer.

  • Varicocele

    É uma patologia que consiste na dilatação dos vasos do plexo pampiniforme e com isso geram lesões nos espermatozóides que comprometem sua vitalidade e com isso gerar infertilidade no homem. Operar varicocele por dor ou estética é uma indicação infrequente onde nem sempre se obtém o resultado esperado ( melhorar a dor e/ou a estética).

  • Hidrocele

    É uma patologia simples que cursa com aumento do volume da bolsa escrotal, o tratamento cirúrgico é simples e objetivo.

  • Câncer de Testículo

    A neoplasia maligna mais frequente em homens entre 20 e 34 anos, período de plena atividade produtiva e reprodutiva. O testículo é a maior fonte de testosterona produzida pelos homens, sendo responsável pela manutenção do desejo sexual e pela produção dos espermatozoides e, consequentemente, pela da fertilidade no homem.

    Com o diagnóstico precoce e o tratamento adequado, a sobrevida em cinco anos nos dias de hoje aproxima-se de 95% dos pacientes tratados.

    O principal fator associado ao câncer testicular é a criptorquidia (testículos posicionados fora da bolsa escrotal). Indivíduos com essa anormalidade possuem um risco 40 a 50 vezes maior de desenvolver câncer. Outro grupo com maior incidência de câncer de testículo são os homens portadores de infertilidade. Nesses casos, a presença de tumor pode ser a causa da diminuição da produção de espermatozoides.

    Deve-se suspeitar de cancer quando tem aumento do volume testicular ou nódulo testicular indolor à palpação. Toda massa testicular encontrada na palpação, principalmente em adultos jovens, deve ser considerada como câncer, até que se prove o contrário.

Entre em contato

Preencha o formulário abaixo e em breve responderei sua mensagem.

  • São Paulo

    Rua Correia Dias, 171
    Paraíso
    Telefone: (11) 3371-5700

  • Santos

    Rua Guaiaó, 66
    Conjunto 1808
    Telefone: (13) 3232-3011

Matheus Miranda Paiva - Doctoralia.com.br